Entenda como o efeito rickshaw impacta a vida do estrangeiro residente na India

6 de maio de 2009 at 10:42 AM Deixe um comentário

Ainda tentando entender o ambiente corporativo na Índia e como este estava afetando o nosso trabalho e a nossa maneira de perceber as coisas, eu e meus colegas que vieram do Chile comigo começamos a elaborar algumas teorias a respeito.

Vocês já repararam que os papos filosóficos normalmente surgem em uma mesa de bar? Após algumas cervejas depois do trabalho aqui em Gurgaon, começamos a tentar entender como a Índia tinha mudado a maneira como enxergávamos as coisas que passavam ao nosso redor.

Para entender melhor sobre o que estou falando vou fazer uso de algumas metáforas que tem tudo a ver com a Índia. Assim como o Lula, às vezes considero a metáfora um dos melhores recursos para transmitir uma mensagem de forma simples e clara. A metáfora nos leva direto à essência, o que nos possibilita fazer relações com fatos que acontecem na vida de cada um de nós.

A idéia aqui é relacionar o trabalho na Índia com fatos que acontecem no cotidiano de provavelmente todos os estrangeiros que vivem no subcontinente indiano. As metáforas que serão utilizadas neste post têm a ver com um dos meios de transporte mais comuns na vida de um estrangeiro na Índia: o rickshaw.

Nada melhor que relacionar como o efeito rickshaw muda nossa percepção de risco, medo e reação. Mas o que é o efeito Rickshaw? O efeito rickshaw nada mais é que a perda da noção de perigo. Você ê percebe que está sob o efeito rickshaw quando uma situação que antes parecia de alto risco passa a ser vista com outros olhos. Com olhos extremamente ingênuos e otimistas, de quem acha que no final das contas tudo acaba bem. Os indianos de uma forma geral vivem sob este efeito. Parece que nem os estrangeiros residentes na Índia conseguem escapar dele e vou explicar agora de que maneira isto acontece.

Para quem não sabe, o Rickshaw é um dos meios de locomoção mais comuns na Índia e pode ser encontrado em minúsculos vilarejos até em grandes cidades como Delhi em Mumbai. Você encontra tanto a versão bicicleta (foto abaixo à esquerda) quanto o auto rickshaw (foto abaixo à direita). Mas sem dúvida alguma o rickshaw bicicleta é de longe uma experiência bem mais emocionante.

Tipos de rickshaw na Índia

Tipos de rickshaw na Índia

Me lembro bem da minha primeira vez em um rickshaw. Foi no meu segundo dia na Índia. Meu chefe, a Helen e eu fomos almoçar no Shopping aqui de Gurgaon. Achei aquilo uma loucura, o indiano que estava dirigindo simplesmente atravessou a rua sem olhar e se jogou na avenida em pleno movimento de carros em alta velocidade. E na verdade não existe uma pista só para rickshaws, então o cara pedala ao estilo “Flinstones” na mesma pista que um carro em alta velocidade. Eu pensei comigo mesma: “Isso só pode dar errado”. Só sei que gritamos o caminho inteiro achando que iríamos ser atropeladas a cada minuto quando víamos um carro passando de raspão. Quase xingamos o nosso chefe que estava no outro rickshaw: “Você é um louco, acabamos de chegar e você quer ver a gente morrer aqui? “. Naquele dia eu jurei pra mim mesma que era a última vez que andaria em um rickshaw. Aquilo simplesmente parecia perigoso demais. E ele só ria da gente e só fava que logo mais a gente iria se acostumar.

E ele estava certo. Os estrangeiros acabam se acostumando, eu me acostumei. As primeiras vezes podem ser um pouco traumáticas, é quase como se você estivesse em um videogame. A grande diferença é que em um videogame por mais que você tenha chances de se dar mal no jogo, no fundo sabe que não vai se machucar. Afinal é apenas um jogo. O rickshaw é um videogame na vida real.

Mas por algum motivo inexplicável, aquele medo inicial acaba desaparecendo depois de um tempo. E ai você se vê quase que indiferente ao que se passa no trânsito caótico da Índia. Não importa se tem um caminhão vindo na contramão na direção do rickshaw ao mesmo tempo em que você quase leva uma chifrada de um boi no meio da rua. Não importa se o rickshaw está na contramão, no meio de uma rua extremamente movimentada. Não importa. Alguma coisa aconteceu no meio do caminho que fez com que minha noção de perigo mudasse: do pânico inicial  para uma completa abstração.

Outro dia, por exemplo, tive um pequeno acidente em um rickshaw e  me surpreendi com a minha própria reação. Estava indo para a academia por um caminho alternativo, por umas ruelas de terra super esburacadas. Quando o rickshaw fez uma curva com um pouco mais de velocidade, uma das rodas ficou presa no buraco fazendo com que o rickshaw inclinasse para esquerda, como se realmente fosse cair. Na hora,  pulei do rickshaw ainda em movimento e o cara que dirigia fez o mesmo, e segurou o rickshaw para que este não caísse. Meu coração batia forte. Afinal não é todo dia que este tipo de coisa acontece e nesse dia voltei a me dar conta que o rickshaw não é invencível, que nem sempre tudo acaba bem. Enquanto meu coração batia, o motorista do rickshaw ria da situação. Enquanto uns se “fodem”, outros se divertem. Assim é a vida na Índia.

Pensei por 2 segundos se deveria subir no rickshaw depois do que tinha acontecido. E subi. Os milhares de deuses hindus estão protegendo. Sabiam que, de todas as cinco maiores religiões do mundo em número de fiéis, o hinduísmo é a única crença com características politeístas? Agora entendo o porquê, um só deus não daria conta de cuidar de mais de um bilhão de indianos andando em rickshaws por ai. Sem duvida alguma, os deuses Ganesh, Vishnu, Shiva entre tantos outros tomam conta dos indianos e estrangeiros que vivem neste país.

Agora volto ao começo do texto, quando mencionei que iria relacionar o efeito rickshaw com o dia-a-dia de trabalho na Índia. Pelo que percebi nestes quatro meses de trabalho foi que o efeito rickshaw também está presente no mundo corporativo e afeta a maneira como as pessoas percebem situações de risco. Sem entrar em muitos detalhes, nos deparamos com um projeto extremamente problemático no trabalho. Um projeto que desde o início já mostrava sinais claros de um desastre iminente caso nada fosse feito para reverter a situação.

Porém parecia que todo mundo ali estava sob o efeito rickshaw, ou seja, ninguém mais percebia o caos, o risco. Ao invés do caminhão na contramão, nos deparávamos com deadlines impossíveis de cumprir, ao invés de vacas no meio do caminho, nos deparávamos com a falta de comunicação clara entre os envolvidos. O projeto na verdade tinha se transformado no próprio rickshaw. O projeto andava a 5 km por hora em uma avenida que na verdade exigia uma velocidade de no mínimo 70 km por hora. E o pior de tudo é que por mais que você aponte o problema, você continua sentada em um rickshaw que não tem recursos para andar mais rápido em uma avenida cheia de buracos, pedras e elefantes. E de novo alguma coisa aconteceu no meio do caminho que fez com que minha noção de perigo mudasse: do pânico inicial  para uma completa abstração. Mas no final tudo acaba bem certo? Talvez sim, talvez não. Ando questionando a invencibilidade do rickshaw depois daquele pequeno acidente que sofri naquele dia.

Só espero que os deuses indianos protejam não só os indianos em seus rickshaws, mas também o mundo dos negócios aqui na Índia.

About these ads

Entry filed under: Trips. Tags: , , , , , , , .

No meio do caminho tinha um elefante. Tinha um elefante no meio do caminho…. Sem mais “CHAOS”, sem mais “COWS”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Categorias

Posts mais recentes

maio 2009
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: