De tudo um pouco na primeira viagem em um país onde tudo pode acontecer – PARTE I / A bit of everything on the first trip in a country where anything can happen – PART I

Começando pelo fim – Antes de começar a contar da minha primeira viagem por aqui senti a necessidade de compartir com vocês o que aconteceu as 11 horas da noite, quando cheguei ao meu apartamento depois de três longos e intensos dias de viagem. A única coisa que queria era tomar aquele banho gostoso, ouvir uma música, baixar as fotos da viagem e entrar na internet pra conversar um pouco com a minha família e amigos pra botar o papo em dia e contar um pouco da viagem… Parece simples né? Pois é, não é. Quando chegamos em casa percebemos que não tinha eletricidade e pra melhorar, por causa de um curto circuito ou algo assim, TODAS as luzes do apê tinham queimado, todas mesmo. Nenhuma das tomadas estava funcionando, o microondas, a maquina de lavar roupas e o aparelho da internet também tinham ido pro saco. Sem eletricidade, não podia tomar banho quente e daí pensei: “Puxa, vou esquentar água no fogão e tomar banho de balde né?” Daí lembrei que o forno também é elétrico e o único jeito de esquentar água seria usando a boca de fogão a gás. Daí lembrei também que o botijão de gás estava com vazamento e não dava pra usar porque podia ser perigoso. Moral da estória: lavei minha cabeça na pia com água gelada e depois só passei uma água no corpo, um banho bem de gato vira-lata mesmo. Cest La vie…São por essas e outras que você cai na real e se lembra que está na Índia. Daí o jeito é entrar no clima e cair na risada. Coisa que vocês também devem estar fazendo ao ler isso aqui.

E a viagem começa na sexta-feira à noite (23/01/2009) – A turminha multicultural era composta de 5 pessoas: Eu (Brasil), Helen (Inglaterra), Paul (Índia), Pablo (Chile) e Saeb (Jordânia).

Como na segunda seria feriado nacional da Índia em comemoração ao dia da República, aproveitamos para viajar no final de semana prolongado. Decidimos jogar seguro e começar pelo básico. E quando eu falo em básico, estou falando do principal ponto turístico do país, o destino mais visitado dos viajantes à Índia: o Taj Mahal, que fica na cidade de Agra. Aproveitamos também para conhecer Jaipur que é a principal cidade do estado de Rajastão e é conhecida como a cidade rosa. Tanto Agra como Rajastão ficam a 4-5 horas de Delhi e Gurgaon, o que é bem perto considerando a imensidão deste país, onde a maioria dos destinos demoram no mínimo 10 horas de viagem de trem ou carro.

Como organizamos tudo de última hora acabamos pegando um hotel super xexelento em Agra pela pechincha de 400 rupias pelo quarto (quatro dólares por pessoa). É aquele esquemão sabe, só pra dormir mesmo e olhe lá…o lençol cheio de manchas amarelas que nem procurei investigar de onde vieram, o banheiro fedia e não tinha água. Enfim, como estava muito cansada dormi que nem pedra.

Acordamos cedo pela manhã e enquanto o Saeb se arriscava comendo o café da manhã do “hotel” , eu aproveitei para sentar perto do muro, na laje do local para ler o Lonely Planet, a bíblia dos viajantes. Enquanto isso a Helen estava comentando que ela tinha lido que os macacos são o segundo animal mais perigoso que você pode encontrar nas ruas da Índia. E as instruções dadas pela minha chefe indiana Ekta eram clara: “Se encontrarem um macaco o mais importante é que mantenham a calma, escondam qualquer tipo de comida e saiam de fininho”. Eis que eu, totalmente distraída com a leitura, viro para o meu lado esquerdo e simplesmente me deparo com um macaco gigante em pé no muro, a cerca de 10 centímetros de distância de mim. Tive a reação mais bizarra do mundo, sem pensar, como se tivesse visto uma cobra preparando o bote,pulei da cadeira e saí correndo e acabei tropeçado e deixando o livro cair no chão. Foi muito engraçado porque não imaginei que iria ter essa reação e fiz tudo o que não era recomendado fazer em relação aos macacos.

A cereja do bolo: Taj Mahal – Claro que sempre tive vontade de conhecer o Taj Mahal. Existem alguns pontos turísticos em cada país que acabam atraindo mais a atenção do que os demais lugares. É aquela coisa, quem vai pra França e não conhece a Torre Eiffel? O Coliseu na Itália? O Machu Pichu no Peru? As Pirâmides no Egito? O Cristo Redentor no Brasil? E por aí vai. Conhecer o Taj Mahal é quase uma obrigação quando você tem a oportunidade de conhecer a Índia. Alguns podem dizer que nem vale tanto a pena assim, que o lugar já está muito comercial e que é quase impossível você tirar uma foto sem que um americano de pochete, calça caqui e bochechas vermelhas apareça na foto, tapando boa parte do Taj Mahal. Não tenha dúvidas de que boa parte disso é verdade, mas apesar disso não é difícil entender porque o Taj Mahal é considerado o monumento mais famoso da Índia e classificado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

 

 

 

Senta que lá vem a estóriaO Taj começou a ser construído em 1630 e demorou mais ou menos 22 anos pra ficar pronto. O imperador trouxe para Agra cerca de 22 mil homens de várias cidades do Oriente só pra trabalhar no gigantesco mausoléu de mármore branco contendo inscrições retiradas do Corão, o livro sagrado do Islamismo. O monumento todo é incrustado com pedras semipreciosas e  sua cúpula é costurada com fios de ouro. Não satisfeito o bastante, o imperador também queria  que construissem  para ele uma réplica do Taj Mahal em mármore preto, mas seus planos foram por água abaixo pois foi deposto antes do início das obras por um de seus filhos.

E o mais interessante de tudo isso é que o Taj Mahal é na verdade um mausoléu que foi construído a pedido do imperador Shah Jahan em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, apelidada por ele como Mumtaz Mahal (“A jóia do palácio”).  O Taj Mahal foi construído sobre o túmulo da princesa  que morreu após dar à luz ao seu 14º filho…se 14 filhos por mulher era a média daquela época agora tá explicado porque a Índia tem uma população de mais de 1 bilhão de pessoas…

Brincadeiras à parte esta estória verídica é romantismo puro né? Não é a toa que o Taj Mahal tenha ficado conhecido como a maior prova de amor do mundo. O cantor brasileiro Jorge Bem Jor, explorou a história em uma das suas mais conhecidas músicas, chamada nada mais nada menos que Taj Mahal.

Foi a mais linda
História de amor
Que me contaram
E agora eu vou contar
Do amor do príncipe
Shah-Jehan pela princesa
Mumtaz Mahal
Do amor do príncipe
Shah-Jehan pela princesa
Mumtaz Mahal…
Tê Tê Tê, Têtêretê
Tê Tê, Têtêretê
Tê Tê, Têtêretê
Tê Tê…
 
 Ainda no mesmo dia aproveitamos para conhecer outros dois monumentos:

Forte de Agra: É o Forte mais importante na Índia e que na verdade é uma cidade-palácio fortificada. Grandes imperadores mongols viveram lá e era deste forte que eles governavam o país. Achei super interessante o lugar e particularmente achei Lino ver como a cor avermelhada da arquitetura contrastava com o céu super azul do dia.

 

 

Fatehpur Sikri: É uma cidade abandonada com aproximadamente 500 anos e que ainda permanece em ótimo estado de conservação. Foi construída no século XVI e apenas catorze anos depois da sua construção ela foi abandonada por falta de água…se um imperador tinha problemas com falta de água, imagina o resto dos pobres mortais? O lugar tinha uma vibe diferente…dava uma sensação de tranquilidade e vontade de simplesmente relaxar.

Forte de Agra

Forte de Agra

 

 

 

 

Na cidade abandonada

 Se vocês quiserem checar mais fotos desses lugares que conheci na ciade de Agra e redondezas abram o link: http://www.facebook.com/album.php?aid=60914&id=517737112&l=3e05d1d1dc

Esse post já está ficando longo demais e imagino que metade de vocês não tenham tido paciência suficiente para ler até o final. Então eu vou saindo de fininho…logo mais vou ver se me inspiro para escrever um Post sobre a  Parte II da viagem na cidade de Jaipur.

 

 

 

 

 

 

If you want to check more photos of those places I knew in ciade of Agra and nearby open the link: http://www.facebook.com/album.php?aid=60914&id=517737112&l=3e05d1d1dc

(English version = Google translator)

Starting from the end – before writing about my first trip here I felt the need to share with you what happened at 11pm after three days of long and intense journey. The only thing I wanted was to take a nice bath, listening to a song, download the photos of the trip and surf on the Internet for a little chat with my family and friends to catch up and tell a bit of  the travel … Sounds simple right? Yeah, but it is not. When we arrived at home we realized we had no electricity because a short circuit or something, all the bulbs had busted. None of the eletronic appliances were working, the microwave, washing of the machine and Internet were gone. Without electricity, I could not take a hot bath and then I thought: “Oh, I can get heat water on the stove and then take a bucket bath!” Since the oven was electric and the only other way to heat was thrue a gas stove but the gas was leaking and I did not use because it could be dangerous. End of the story: I washed my hair in the sink with cold water. Cest la vie … these sort of things help me to remember that I am in India. The only solution is to relax and laugh at the situation. Thing you should also be doing while you read it this post.

And the journey begins on Friday night (23/01/2009) – The multicultural groupconsisted of 5 people: I (Brazil), Helen (England), Paul (India), Pablo (Chile) and Saeb (Jordan ).

Since monday would be India’s national holiday to celebrate the Republic day, we decided to travel in the long weekend. We decided to play safe and start with the basics. And when I speak abour basic, I’m talking about the main touristic place, the most visited destination for travelers to India: the Taj Mahal, located in the city of Agra. We also visited Jaipur, the main city of the state of Rajasthan and known as the pink city. Both Agra and Rajasthan are 4-5 hours from Delhi and Gurgaon, which is very close considering the immensity of this country, where most of the destinations take at least 10 hours of travel by train or car.

How to organize everything at the last minute just getting a hotel in Agra xexelento super bargain for the room of 400 rupees (four dollars per person). That esquemão know, just to sleep and even look over there … the water full of yellow spots that neither tried to investigate where they came from, fedia the bathroom and had no water. Finally, as was too tired to sleep or rock.

I woke up early in the morning and while Saeb was eating the breakfast of the hotel, “I decided to sit near the wall, to read the Lonely Planet, the bible of travelers. Meanwhile, Helen was saying that she had read that the monkeys are the second most dangerous animal that you can find on the streets of India. And the instructions given by Ekta, my Indian boss, was clear: “If you are very close to a monkey the most important is to be the calm, and hide any kind of food you might have on your hands.” I was totally distracted with the reading when I turn to my left and I just saw a giant monkey standing on the wall, about 10 centimeters away from me. I had the most bizarre reaction of the world, without thinking I jumped from the chair and I ran, I stumbled and let the book fall to the ground. It was very funny because I never thought I would have this reaction.

The cherry of the cake: Taj Mahal – Of course I always wanted to visit the Taj Mahal. There are few sights in each country that eventually attract more attention than the other places. It is like if you go to France and does not visit the Eiffel Tower? The Colosseum in Italy? The Machu Pichu in Peru? The Pyramids in Egypt? The Christ Redeemer in Brazil? And so on. To visit the Taj Mahal is almost an obligation when you have the opportunity to come to India. Some may say that is not much worthy because the place is very commercial I have no doubt that a good part of this is true, but nevertheless it is not difficult to understand why the Taj Mahal is considered the most famous monument of India and classified as World Heritage by UNESCO.

Sit because the story is about to star – The Taj started being built in 1630 and took more or less for 22 years to be completed. The Emperor brought to Agra about 22 thousand men in several cities in the  Orient just to work on the giant white marble mausoleum containing entries drawn from the Koran, the sacred book of Islam. The entire monument is inlaid with semiprecious stones and its dome is sewn with gold threads. Not happy enough, the emperor also wanted him to build a replica of the Taj Mahal in black marble, but their plans have gone down the toilet because she was deposed before the start of work by one of their children.

And the most interesting of all this is that the Taj Mahal is actually a mausoleum that was built at the request of the emperor Shah Jahan in memory of his favorite wife, Aryumand Banu Begam, dubbed by him as Mumtaz Mahal ( “The jewel of the palace” ). The Taj Mahal was built on the tomb of the princess who died after giving birth to their 14th child … if 14 children per woman was the average time now I it makes sense that India has a population of more than 1 billion people. ..

Thi true story is so romantic right? There is why the Taj Mahal is also known as the best proof of love in the world. The Brazilian singer Jorge Bem Jor, explored the story in one of his best known songs, called nothing less than Taj Mahal.

It was the most beautiful

Love story

Told me that

And now I will tell

The prince of love

Shah Jehan, the princess

Mumtaz Mahal

The prince of love

Shah Jehan, the princess

Mumtaz Mahal …

 

Têtêretê

Têtêretê

Têtêretê

Have you …

On the same day we visied two other known monuments:

Fort of Agra: It is the most important fort in India and that is really a city-fortified palace. Great Mongols emperors lived and there was this strong that they govern the country. I found interesting over the place and found it particularly Lino see red as the color of architecture contrasted with the blue sky over the day.

  Fatehpur Sikri: It is an abandoned city with approximately 500 years and still remains in excellent state of preservation. It was built in the sixteenth century and only fourteen years after its construction it was abandoned for lack of water … if an emperor had problems with lack of water, imagine the rest of the poor mortals? The place had a different vibe … was a sense of peace and desire to simply relax.

 

This post is already getting too long and I imagine that half of you have not had enough patience to read to the end. So I’ll mosey out to … see if I will soon inspired me to write a Post on Part II of the journey in the city of Jaipur.

 

A cereja do bolo

A cereja do bolo

Um comentário sobre “De tudo um pouco na primeira viagem em um país onde tudo pode acontecer – PARTE I / A bit of everything on the first trip in a country where anything can happen – PART I

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s